COMUNICADO GERAL
 
Mantendo sua política de transparência nas informações e ética no relacionamento com a juventude do Distrito Federal, parceiros, prestadores de serviço e voluntários que acreditam nessa parcela da população, a até então, coordenação da Central Única das Favelas do Distrito Federal - CUFA DF - vem a público expressar o nosso descontentamento com a recusa de informações sobre a participação dos atletas do DF na etapa Nacional da Liga Internacional de Basquete de Rua - LIIBRA, requerer que as equipes sejam inscritas conforme compromisso firmado entre as coordenações, tornar público o desligamento da base DF da Rede CUFA e explicitar as ações que contribuíram para tal.
 
A Central Única das Favelas durante os 11 anos de existência expandiu sua ideologia e ações em todos os Estados Brasileiros e no Distrito Federal. A expansão tornou-se concreta com a construção da rede nacional de representantes de favelas de todo o país que possuem perfis semelhantes, em sua maioria moradores de periferias/favelas, negros e em busca de espaços para expressarem suas atitudes, questionamentos e por igualdade de oportunidades com fim de garantir a inclusão social.
 
A base da instituição no DF contribuiu por 7 anos com a gestão e projetos em rede nacional. Sempre cumpriu a agenda de eventos, contribuiu com o fortalecimento da marca CUFA e das demais criadas dentro da instituição ao longo deste período, bem como para o empoderamento da rede no Distrito Federal e em outros Estados. Porém, em maio deste ano, houve discordância entre a coordenação nacional e a base do DF, por a representação brasiliense acreditar que nacionalmente a instituição deveria organizar-se de tal modo a fortalecer as bases pelo país e ampliar a participação em conselhos e agendas de construção de políticas públicas.
 
Porém, mesmo com a discordância de ações, não havia sido oficializado o desligamento da base DF de toda a rede. A única ação da coordenação nacional mediante a este fato, foi o interrompimento do canal de comunicação, (um grupo criado na plataforma gmail) usado pelos representantes estaduais e municipais para a troca de informações e mobilizações. Certos de que a comunicação em algum momento seria reestabelecida, a CUFA DF manteve seus projetos e atividades normalmente.
 
Uma vez com o canal interrompido e cientes das datas da etapa Nacional da Liga Internacional de Basquete de Rua, a produção local entrou em contato com a coordenação executiva de produção da liga para tratar a última etapa do campeonato e enviar os atletas vencedores no DF. Neste contato fomos informados que não fazíamos parte da rede e, desta forma, se recusaram a passar informações sobre o campeonato para as equipes brasilienses, alegando que quem (o Estado) não participa da rede de comunicação, não faz parte dos projetos nacionais. Esta atitude inviabiliza a participação dos atletas no evento, pois é preciso comprar com antecedência passagens, garantir hospedagem e a inscrição no campeonato.
 
É importante ressaltar que não tínhamos conhecimento que a rede havia sido reativada. Até o presente momento, lamentamos que a produção da LIIBRA tenha optado por não repassar essas informações, visto que possuem o compromisso de garantir a vaga aos atletas, afinal em abril, data da etapa no DF, ainda estávamos na rede de comunicação, e por este motivo, realizamos o evento. É válido dizer, que até o último dia 16, quarta-feira, não havíamos sido avisados que fomos afastados da equipe nacional da CUFA, tão quanto, que isso acarretaria na inviabilização da participação dos times do DF na etapa nacional. Frisamos que, em todos os anos a LIIBRA DF foi produzida no mês de abril. Esta ação ocorre há 7 anos e somente por uma vez, no ano de 2012, não levamos os times vencedores.  Para nós fica a dúvida, sobre a participação ou não da rede como um todo, visto que a coordenação nacional permaneceu até a data de 18 de outubro, com o site criado pela base DF ( www.cufadf.com.br) lincado ao site nacional.
 
Sempre tivemos a LIIBRA como um dos eventos de maior importância para a instituição. Até porque foi o primeiro que fizemos como participantes da rede. Antes levava o nome de SEBAR - Seletiva Estadual de Basquete de Rua. O público do basquete de rua no DF são jovens, em sua maioria negros, moradores de diversas regiões administrativas. Sempre os convidamos a participar gratuitamente deste projeto a fim de estimular o entretenimento, a busca do protagonismo, sugerir alternativas para o enfrentamento à violência, realizar o intercâmbio com os outros Estados na etapa nacional, e incentivar o sentimento de pertencimento aos espaços públicos, pois o campeonato sempre foi realizado numa praça pública com exceção da última etapa, mas que, também foi realizado em espaço público - Museu Nacional. Desta forma, as equipes vencedoras ao saberem da inviabilização na participação da etapa final, sinalizaram para a coordenação da base local desapontamento e frustração visto que, até por reconhecerem a importância da Liga, desistiram de outros campeonatos para focarem no basquete de rua desenvolvido pela CUFA. Em outro momento, tivemos parceiros locais que acreditaram no projeto LIIBRA e junto conosco tornou possível este momento de lazer, perspectivas, intercâmbio e protagonismo. Acreditamos que também se sentirão prejudicados por não verem o investimento ser concluído até a etapa final a ser realizada no Rio de Janeiro, em novembro próximo.
 
 Temos convicção que ajudamos a construir e contribuímos de forma honrosa ao sucesso dessa competição nacionalmente. Portanto, mesmo diante da negativa, continuamos a insistir por meio desta nota, que a rede nacional inscreva os atletas vencedores da etapa LIIBRA DF na competição por respeito a nossa juventude, aos atletas, patrocinadores e todas as pessoas que se envolveram de forma direta ou voluntária para realização dessa etapa. Feito o pedido, informamos que pelos motivos aqui alegados, a partir da data desse comunicado, a equipe de trabalho social formados por jovens do Distrito Federal que atendia por CUFA DF não se utilizará mais da sigla CUFA. Não responderemos por projetos relacionados a instituição no Distrito Federal. Tomamos essa atitude para que futuramente, por discordâncias ideológicas, frustrações como essas não voltem a acontecer.
 
Esta equipe, consolidada e fundada em 2003, que possui título fornecido pelo Ministério da Justiça do Brasil de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, OSCIP, continuará a desenvolver projetos com a mesma competência e contribuição com o desenvolvimento social dos jovens do Distrito Federal. É válido ressaltar que continuaremos com o mesmo grupo de trabalho, porém como novo nome representativo. Escolheremos o novo nome democraticamente junto aos que sempre fizeram parte da nossa história.
 
De toda maneira, não nos sentimos confortáveis pela situação dos atletas e dos parceiros que participaram deste projeto. Pedimos desculpas e nos comprometemos a sanar parte dos danos e frustrações causadas por este incidente, oferecendo aos times feminino e masculino que disputariam o campeonato nacional o  valor de R$ 1.000 reais (hum mil reais) para cada equipe. Temos esta atitude, não para fazer mea culpa, e sim, por compromisso à vocês que acreditaram e participaram com a mesma perspectiva que nós. Queremos registrar ainda que não nos eximimos de nossas responsabilidades visto que, realizamos a etapa e garantimos a vaga, assim como acordado internamente na instituição. Porém nos foge o poder de validação da equipe no campeonato pois, não somos detentores da marca LIIBRA. Só nos resta torcer para que o bom senso seja mais forte que qualquer discordância interna entre as coordenações.
 
Em respeito aos atletas, parceiros e a toda equipe que está conosco, fazemos este comunicado oficial e retiraremos até quarta-feira do ar tudo o que faz menção a CUFA DF em nossa gestão. Reafirmamos nosso compromisso com a juventude do Distrito Federal e Região Metropolitana de continuarmos na luta por uma equidade social. Nos colocamos à disposição para eventuais esclarecimentos e afirmamos que as atividades já desenvolvidas não serão paralisadas, pelo contrário, vamos trabalhar com mais afinco e dedicação nessa nova fase da organização.
 
Por fim, desejamos a todos sucesso e respeito na caminhada.
 
Atenciosamente,
 
Ex-Coordenação da Central Única das Favelas no Distrito Federal.